A SOCIEDADE BRASILEIRA DE BIOLOGIA EVOLUTIVA APRESENTA:

I Congresso Brasileiro de Biologia Evolutiva!

 20 a 22 de novembro de 2024 em Curitiba.

Group-71-1.png

Simpósios

• Evolução humana nas Américas  • Filogeografia & Diversificação Neotropical
• Genômica Evolutiva  • Inclusão, Diversidade & Equidade  • Especiação & Macroevolução

• Evolução humana nas Américas   
• Filogeografia & Diversificação Neotropical
• Genômica Evolutiva  
• Inclusão, Diversidade & Equidade  
• Especiação & Macroevolução

Palestrantes Confirmados

DIA 1 – 20 de novembro

PALESTRA MAGNA 1

Dra. Kateryna D Makova

Ex-presidente da SMBE

Professor and Director of the Center for Medical Genomics, Penn State University. Dra. Kateryna largely focuses her research on genome-wide rates and patterns of mutations in humans and other vertebrates. 

This has included the analysis of mutations on sex chromosomes, of microsatellite evolution, of regional variation in mutation rates, and of dynamics of mitochondrial mutations. 

Recently, she became interested in non-canonical (non-B) DNA structures because several lines of her work suggested that they might serve as hotspots of mutagenesis and may be associated with genome instability and diseases.”

SIMPÓSIO 1: INCLUSÃO, DIVERSIDADE & EQUIDADE

Dra. Aline Ghilardi

UFRN

Rompendo as amarras do colonialismo na busca por mais equidade na Biologia Evolutiva

Aline é bacharel e licenciada em Ciências Biológicas (UFSCar), mestre em Ecologia e Recursos Naturais (UFSCar) e Doutora em Geologia (UFRJ). 

Sua especialidade é a Paleontologia de Vertebrados, com ênfase no estudo da paleobiologia e evolução dos dinossauros. Ela também estuda a evolução do comportamento e distribuição do grupo, por meio do seu registro paleoicnológico. 

Aline realizou seu pós-doutorado no PPGERN-UFSCar com o estudo de pegadas fósseis de dinossauros, foi professora substituta na UFPE e hoje é professora adjunta no Departamento de Geologia da UFRN. 

Além do ensino e pesquisa, ela também se dedica à divulgação científica por meio de atividades junto às comunidades locais onde realiza seus trabalhos, é criadora da iniciativa de divulgação de Paleontologia “Colecionadores de Ossos”e também fala sobre Ciência de forma independente em suas redes sociais. 

As questões que Aline explora em suas pesquisas envolvem: Como os dinossauros atingiram tamanhos gigantescos? Quais mecanismos de gigantismo podem ser observados em diferentes grupos de animais? Como evoluiu o sistema respiratório dos dinossauros e qual foi seu papel no gigantismo desses seres? E qual é a conexão entre a fauna dinossauriana do Nordeste brasileiro e a de outras partes do mundo?

Dra. Ana Lúcia Tourinho 

UFMT

Ana Lúcia Tourinho é fundadora da Organização “Support Women in Arachnology – Mulheres na Aracnologia” e atualmente atua como professora na Universidade Federal do Mato Grosso, Campus Sinop. 

Nascida no Rio de Janeiro, Ana Lúcia Tourinho mudou-se para Manaus no Brasil para vivenciar uma imersão profunda na floresta e nas dinâmicas dos seus organismos. 

Seu foco de pesquisa é a ecologia e a evolução dos artrópodes e a conservação da bacia amazônica. Suas principais linhas de pesquisa são sistemática integrativa e taxonomia, design de amostragem, ecologia de comunidades e conservação de artrópodes terrestres e da Amazônia. 

Atualmente, está focada em compreender os fundamentos da relação de espécies indicadoras chave, táxons potencialmente substitutivos, com as árvores amazônicas, a serapilheira e a estrutura do seu ecossistema, a distribuição e a História Natural das espécies de Ricinulei nos habitats amazônicos e os efeitos da fragmentação, incluindo dinâmicas de rios e ilhas, na distribuição de artrópodes na Amazônia.

PALESTRA MAGNA 2

Dr. Santiago Benitez-Vieyra

Presidente SABE

Dos Andes ao mar: adaptação local, especiação e diversificação em Salvias da América do Sul

Dr. Santiago Benitez-Vieyra is an independent researcher with the National Council of Scientific and Technical Research (CONICET) at the Evolutionary Ecology Lab, Multidisciplinary Institute of Plant Biology (IMBIV, National University of Córdoba – CONICET, Argentina). He is also currently President of the Argentine Society of Evolutionary Biology (SABE). 

His research focuses on the ecology and evolution of plant-animal interactions, rapid evolution, local adaptation, speciation, and diversification. 

Most of his recent work focuses on the genus Salvia and its pollinators. In his research group, they use a variety of methods, including geometric morphometrics, colour quantification, phylogenetics, population genetics, and statistical modelling. 

Key questions driving his research include: How do quantitative changes accumulate and transform into qualitative differences during speciation? Do trait associations remain stable during evolutionary change? How can we understand the dual role of trait associations as both constraints and outcomes of natural selection? How do complex traits emerge and remain stable during evolution?

DIA 2 – 21 de novembro

PALESTRA MAGNA 1

Dra. Tábita Hünemeier 

USP

Dra. Tábita Hünemeier é formada em Ciências Biológicas pela UFRS (2003), obteve também o mestrado em Genética e Biologia Molecular (2006) e o doutorado em Ciências (2010) pela mesma instituição.

Parte de sua pesquisa de doutorado foi realizada na prestigiada University College London, no Reino Unido.

Atualmente, é professora na USP, destacando-se por sua vasta experiência em Genética, especialmente na área de Genética de Populações Humanas.

PALESTRA MAGNA 2

Nélio Bizzo

USP

Prof. Nelio Bizzo holds a degree in Biology, a Master’s in Evolutionary Biology, and completed his PhD studies at the University of Liverpool (UK) and the University of São Paulo, where he earned his Doctorate in Education in 1991. He also conducted post-doctoral research at the University of Leeds (UK) in 1993.

Dr. Bizzo served as a Visiting Professor at the University of Verona (Italy) in 2011 and as an expert contributor to the Intergovernmental Science-Policy Platform on Biodiversity and Ecosystem Services (IPBES) until 2016.

Currently, he holds the position of Senior Full Professor of Science Education at the University of São Paulo (USP) and is an Adjunct Professor at São Paulo Federal University (UNIFESP).

In recognition of his outstanding research, UNIFESP awarded him the prestigious “Excellence in Research 2022” Prize.

SIMPÓSIO 1: EVOLUÇÃO HUMANA NAS AMÉRICAS

Dra. Maria Emilia Yamamoto

UFRN

A história do estudo do comportamento
nas Américas

Dra. Maria Emilia Yamamoto possui graduação em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1972), mestrado (1984) e doutorado em Psicobiologia pela Universidade Federal de São Paulo (1990) e pós-doutorado pela University of Reading, UK. 

É professora emérita da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Maria Emilia iniciou seu trabalho de pesquisa estudando o comportamento de primatas, mais especificamente os calitriquídeos. 

Sem abandonar os primatas, pesquisou também peixes e cetáceos e, finalmente, o ser humano.

Atualmente, é interessada em fazer comparações entre as várias espécies, examinando o que temos em comum e em que diferimos. Seu tema principal de pesquisa sempre foi a cooperação, observada inicialmente no cuidado compartilhado em saguis, mas também nas outras espécies estudadas. 

Cooperar, e seu antípoda, a competição, não existem isoladamente e tem interesse no equilíbrio entre os dois e seus determinantes.

Dr. Eduardo Tarazona Santos

UFMG

A genética populacional de brasileiros e latino-americanos

Dr. Eduardo Tarazona Santos possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade de Bologna (Itália), Mestrado pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Doutorado em Bioquímica pela UFMG e em Antropologia pela Universidade de Bologna. Fez Pós-doutorado em genética de populações humanas e epidemiologia genética na Universidade de Maryland e no National Cancer Institute (NIH, USA). 

É Professor Titular do Departamento de Genética, Ecologia e Evolução da UFMG, onde lidera o Laboratório de Diversidade Genética Humana (LDGH) desenvolvendo as seguintes linhas de pesquisa: 

(1) Como a diversidade genômica de populações nativas e miscigenadas de América Latina influencia a arquitetura genética de doenças complexas e da resposta a fármacos nestas populações. 

(2) Inferências sobre a história demográfica pré-colombiana das populações nativas americanas e sobre a origem e dinâmica da miscigenação pós-colombiana nas Américas, utilizando dados genéticos. 

(3) Desenvolvimento de conceitos e ferramentas de biologia computacional para o estudo da diversidade genética humana, com atenção à transparência e reprodutibilidade do processo científico. 

O grupo está atualmente empenhado na iniciativa Mosaico Translational Genomics, que com um enfoque transdisciplinar que integra conceitos estatísticos, das ciências da computação, biomédicos e da saúde pública aplicados na global precision medicine e na medicina baseada em evidências, no contexto do ecossistema de saúde e inovação.

SIMPÓSIO 2: GÊNOMICA EVOLUTIVA

Dra. Alena Mayo Iñiguez

FioCruz

Dra. Alena Mayo Iñiguez possui Licenciatura em Biologia pela Universidad de La Habana (1991), Mestrado (1998) e Doutorado (2002) em Biologia Parasitária pelo Instituto Oswaldo Cruz-Fundação Oswaldo Cruz.

Pesquisadora em Saúde Pública Concursada IOC-Fiocruz e atualmente é chefe do Laboratório de Parasitologia Integrativa e Paleoparasitologia IOC-Fiocruz. O principal foco de nossa pesquisa é sobre a saúde e modo de vida de nossos ancestrais, especialmente quais foram as doenças parasitárias que os acometeram.

Para isso, trabalhamos com conceitos e métodos da paleoparasitologia, a paleogenética e a paleogenômica. 

Mais recentemente, seu grupo está entusiasmado na exploração de dados paleogenômicos para responder questões como: a hipótese da origem da sífilis na América, a diversidade genotípica de piolhos de múmias Andinas, a presença da doença de Chagas no Brasil pré-contato, e quais eram as plantas que utilizavam, e os parasitos que infectavam, e a microbiota que possuíam as populações pré-colombianas do Brasil e sua relação com a dieta, subsistência e estilo de vida.

Dra. Andrea Pedrosa-Harand

UFPE

Evolução do genoma vegetal a partir da perspectiva do centrômero

Dra. Andrea Pedrosa-Harand possui graduação em Ciências Biológicas (bacharelado) pela Universidade Federal de Pernambuco (1998) e doutorado em Botânica pela Universität Wien, Áustria (2002). Atualmente, é professora titular da Universidade Federal de Pernambuco. 

O interesse atual de seu grupo de pesquisa tem sido investigar de que forma a organização genômica afeta a evolução cromossômica e vice-versa. 

Questões muito pertinentes de seus trabalhos envolvem: Como a composição e distribuição do repitoma está envolvida na reestruturação genômica em plantas? De que forma os centrômeros evoluem e como afetam a organização cromossômica? 

Como surgem os cromossomos holocêntricos? Além disso, a pesquisadora também tem investigado eventos de hibridização e poliploidia e suas interrelações com a evolução dos genomas vegetais.

Dr. Fabricio Santos

UFMG

Genômica evolutiva de vertebrados neotropicais

Dr. Fabrício Santos é professor titular da UFMG em Belo Horizonte, MG, biólogo e geneticista com doutorado em 1995 pela UFMG, pós-doutorados em 1997 pela University of Oxford, Reino Unido e em 2008 pela National Geographic Society e University of Pennsylvania, EUA. 

Atualmente, Fabrício é professor residente do Instituto de Estudos Avançados (IEAT) da UFMG e membro titular da Academia Brasileira de Ciências e membro convidado da Academia Ibero-americana de Biologia Evolutiva (AIBE). 

Seu grupo de pesquisa, o Laboratório de Biodiversidade e Evolução Molecular (LBEM) da UFMG, utiliza dados de variação genética e estrutura genômica para compreender a história natural de espécies das biodiversidade brasileira e do primeiro povoamento das Américas pelos humanos.

PALESTRA MAGNA 2

Dra. Kelly Zamudio

University of Texas

Dra. Kelly Zamudio possui graduação em Zoologia pela University Of California Berkeley (1991) e doutorado em Zoologia pela University of Washington (1996). Atualmente, é professora no Departamento de Biologia Integrativa em UT Austin.

Seus interesses de pesquisa estão nas áreas de biologia de populações, genética de populações, sistemática e genética da conservação.

A pesquisadora tem particular interesse nas conexões entre padrões de diferenciação genética geográfica e atributos da ecologia e história de vida dos organismos, como sistemas de acasalamento, dispersão e demografia.

Em sua pesquisa, combina abordagens de campo e de laboratório (molecular) para responder a perguntas sobre os organismos, seus ambientes e suas histórias.

Dessa forma, sua pesquisa pode ser dividida em três grandes áreas de investigação:

(1) estudos de sistemas de acasalamento e seleção sexual;

(2) genética evolutiva de répteis e anfíbios no nível de populações, linhagens ou espécies; e

(3) aplicação da minha pesquisa básica à conservação, com ênfase no estudo das consequências genéticas populacionais das mudanças antrópicas na paisagem e das doenças infecciosas emergentes.

DIA 3 – 22 de novembro

PALESTRA MAGNA 1

Dr. Jose Alexandre Felizola Diniz Filho

UFG

Tradições de Pesquisa em Análises Comparativas Filogenéticas

Dr. José Alexandre Felizola Diniz Filho é bacharel em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Sergipe (1989), mestrado (1992) e doutorado (1994) em Ciências Biológicas (Zoologia) pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita (Unesp).

É professor titular da Universidade Federal de Goiás (UFG) e bolsista de produtividade em pesquisa do CNPq – nível 1A.

É membro da Academia Brasileira de Ciências e da Linnean Society, sempre atuando para promover o desenvolvimento científico.

Sua pesquisa é focada em

1) métodos filogenéticos comparativos e modelos em macroevolução;

2) genética quantitativa evolutiva e resposta adaptativa das espécies à mudança climática; e

3) concepções filosóficas e epistemológicas em Ecologia e Evolução. No caso mais específico da evolução, seu interesse também é em termos de como as filosofias naturalisticas e a visão pragmática e baseada em modelos permitem entender melhor as discussões sobre a expansão da síntese moderna dos anos 40.

SIMPÓSIO 1: FILOGEOGRAFIA & DIVERSIFICAÇÃO NEOTROPICAL

Dra. Clarisse Palma da Silva

Unicamp

Genômica adaptativa e especiação de bromélias da Floresta Atlântica

Dra. Clarisse Palma da Silva possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, mestrado e doutorado na mesma Universidade. Pós-doutorado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e Kew Royal Botanic Gardens, Reino Unido. Atualmente, é professora da UNICAMP, no departamento de Biologia Vegetal, responsável pelo laboratório de Ecologia Evolutiva e Genômica de Plantas. 

As principais questões abordadas em suas pesquisas são relativas à Biologia Evolutiva de grupos vegetais Neotropicais. 

Recentemente tem desenvolvido estudos nas áreas de biologia evolutiva, ecologia molecular, genética e genômica evolutiva, genética da especiação, evolução das barreiras de isolamento reprodutivo e especiação, filogenia e diversificação de plantas Neotropicais, genética da conservação, genética e genômica de populações, genômica e transcriptômica, filogeografia e biologia reprodutiva.

Dra. Fernanda Werneck

INPA

Perspectivas da biologia evolutiva para preencher lacunas do conhecimento da biodiversidade e da biologia das mudanças climáticas na Amazônia

A Dra. Fernanda Werneck é Pesquisadora Titular em Biodiversidade do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), onde atua como Curadora da Coleção de Anfíbios e Répteis e Coordenadora do Programa de Coleções Científicas e Biológicas. 

As linhas de pesquisa do Laboratório de Ecologia e Evolução de Vertebrados do Inpa – LEEVI  envolvem o estudo da evolução e conservação da diversidade de anfíbios e répteis (herpetofauna) da região Neotropical, com foco em biomas abertos e florestais da América do Sul e na quantificação e mitigação dos impactos de mudanças climáticas sobre a biodiversidade. 

É Doutora em Integrative Biology pela Brigham Young University (2012), mestre em Ecologia (2006) e graduada em Biologia (2003), ambos pela Universidade de Brasília, tendo sempre atuado em pesquisas sobre a evolução e conservação da biodiversidade. 

Foi Professora Visitante no Exterior na Harvard University, Museum of Comparative Zoology (2019), Vencedora do prêmio Internacional Rising Talents da L´Oréal-UNESCO For Women in Science (2017) e do prêmio L´Oréal-UNESCO-ABC Para Mulheres na Ciência, área Ciências Biológicas (2016) e grantee do Instituto Serrapilheira

Foi membro afiliada da Academia Brasileira de Ciências, Regional do Norte e da Global Young Academy. Fernanda é mãe de uma filha de 18 anos, parte da equipe do grupo Parent In Science e bastante atuante na causa e valorização das Mulheres na Ciência e na promoção de ambientes de trabalho diversos e saudáveis.

Dr. Luiz Eduardo Vieira Del Bem

UFMG

Dr. Luiz Eduardo Vieira Del Bem possui Bacharelado e Licenciatura em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Campinas (2005), mestrado (2008) e doutorado em Genética e Biologia Molecular pela Universidade Estadual de Campinas (2013) e pós-doutorado na área de genômica, expressão gênica e evolução pela Harvard University – TH Chan School of Public Health (2016). 

Atualmente, é professor Adjunto de Genômica Evolutiva no Departamento de Botânica do Instituto de Ciências Biológicas (ICB) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). 

É editor associado do Journal of Evolutionary Biology (Wiley) e BMC Plant biology (Springer Nature). Trabalha nas áreas de filogenômica, evolução de genomas, evolução molecular de plantas, genética molecular e biologia molecular de plantas.

SIMPÓSIO 2: ESPECIAÇÃO & MACROEVOLUÇÃO

Dr. Tiago Bosisio Quental

USP

Interações interespecíficas e a dinâmica de especiação e extinção

Dr Tiago Quental possui graduação em Ciências biológicas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1999), mestrado em Ecologia pela Universidade Estadual de Campinas (2002), e doutorado pela Harvard University, EUA (2008). 

Foi post-doc na Harvard University (2008-2009) e na University of California, Berkeley (2010). 

Atualmente, é professor doutor do Departamento de Ecologia, Instituto de Biociências da USP. Na atual universidade, lidera um grupo de pesquisa focado na compreensão dos padrões espaciais e temporais da biodiversidade e dos mecanismos envolvidos na geração da diversidade de espécies. 

Sua pesquisa não está necessariamente limitada a nenhum grupo taxonômico específico, mas é motivada e organizada por questões de pesquisa específicas. Dito isto, a maior parte da sua investigação utiliza mamíferos como um modelo de estudos macroevolutivos.

No momento, o grupo está particularmente interessado em compreender o papel das interações bióticas nas mudanças da biodiversidade em tempo profundo. Para investigar essas questões, os pesquisadores utilizam filogenias moleculares, o registro fóssil, dados ecológicos e simulação numérica.

Frederico Henning

UFRJ

Frederico está interessado nos mecanismos que geram novas espécies na natureza. Combinando estudos em laboratório e no campo com metodologias organísmicas, busca elucidar as bases geneticas da adaptação e especiação.

Atua também na aplicação de metodologias genômico-evolutivas para questões de interesse aplicado da indústria pesqueira. Seu grupo de pesquisa tem como organismos-focais as radiações adaptativas de peixes da família Cichlidae comumente conhecidos como joanas ou jacundás (Crenicichla), modelos para o estudo da especiação ecológica com fluxo gênico e convergência evolutiva.

Frederico Henning é formado em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Londrina, com Metrado pela Universidade de São Paulo, Doutorado e pós-Doutorado na Universidade de Konstanz (Alemanha). 

Frederico é pesquisador PQ-2 do CNPq, JCNE da FAPERJ e Explorador Nível II da National Geographic Society. 

É professor adjunto no Departamento de Genética da Universidade Federal do Rio de Janeiro onde coordena o Laboratório de Genética Ecológica e Evolutiva (https://www.henninglab.com/), localizado no Centro Nacional para a Identificação Molecular do Pescado (CENIMP-UFRJ). 

Leciona a disciplina de Evolução e demais optativas para graduação e pós graduação nos tópicos de especiação, adaptação e mapeamento genético.

Pedro Lorena Godoy

USP

Sou paleontólogo e biólogo evolutivo, trabalhando com vertebrados extintos e buscando compreender melhor a evolução desses animais ao longo de milhões de anos.

Além de Professor junto ao Departamento de Zoologia da Universidade de São Paulo onde coordeno o MacroPaleo Lab, também sou afiliado ao laboratório do Dr. Alan Turner (Stony Brook University, EUA), trabalhando como pesquisador honorário.

Finalmente, sou membro do corpo editorial da revista Journal of Vertebrate Paleontology, atuando também como “Phylogenetics Editor”.

Minhas linhas de pesquisa envolvem macroevolução, sistemática e paleobiologia de Amniota (répteis e mamíferos) e outros vertebrados.

PALESTRA MAGNA 2

Dr. Mario de Pinna

USP

Dr. Mario de Pinna possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1988), doutorado em Evolutionary Biology pela City University of New York/American Museum of Natural History (1993) e Livre-Docência pela Universidade de São Paulo.

Atualmente, é professor titular do Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo. Seus interesses de pesquisa residem na interação entre padrões evolutivos e diferentes fenômenos biológicos, mais especificamente de que forma o conhecimento de relações filogenéticas esclarece as trajetórias evolutivas dos seres vivos. 

Este foco o leva a adentrar questões relativas à sistemática, biodiversidade, biogeografia, taxonomia, ontogenia, morfologia e ecologia. Sua especialidade organísmica é a ictiologia, onde a maior parte de sua produção científica está concentrada. 

Mario também dedica atenção à divulgação da perspectiva evolutiva, em especial sobre seu papel fundamental na compreensão de fenômenos históricos em geral, tanto biológicos como socioculturais.

Local do Evento

O I Congresso da Sociedade Brasileira de Biologia Evolutiva  ocorrerá no campus Jardim Botânico da Universidade Federal do Paraná (UFPR), a mais antiga e uma das mais tradicionais universidades do Brasil, com uma rica história acadêmica e uma reputação de excelência em pesquisa.

O campus Jardim Botânico proporciona aos visitantes um ambiente tranquilo e inspirador, ideal para a troca de conhecimento e ideias. 

A programação será concentrada nos Auditórios Gralha Azul e Maurício Bissoli, ambos localizados no Setor de Ciências da Saúde da UFPR. 

Além disso, o campus está próximo a importantes pontos turísticos de Curitiba, oferecendo aos participantes do evento a oportunidade de explorar a cultura e as belezas da cidade.

Apoio Financeiro

ilustracao-do-conceito-de-reembolso_114360-6803

A Sociedade Brasileira de Biologia Evolutiva (SBBE) fornecerá Apoio Financeiro para estudantes de graduação, pós-graduação, pesquisadores de pós-doutorado e professores da rede pública (Educação Básica) que desejem participar do I Congresso Brasileiro de Biologia Evolutiva (SBBE24).

Maiores informações sobre o nosso esquema de Apoio Financeiro podem ser encontradas aqui.

Envie o seu pedido e ele será prontamente analisado pelo Comitê Estudantil da SBBE.

Refeição no Restaurante Universitário da UFPR

Café da Manhã – R$ 2,40

Almoço – R$ 6,00

Jantar – R$ 5,95

 

Esta reserva só está disponível para estudantes de Graduação & Pós-graduação assim como para Pós-doutorandos que estejam regularmente vinculados a qualquer instituição (brasileira ou estrangeira).

Só será possível fazer refeições no Restaurante Universitário da UFPR durante os dias do SBBE24 quem tiver feito cadastro prévio até a data limite de 5 de novembro de 2024 através deste formulário.

O campus Jardim Botânico proporciona aos visitantes um ambiente tranquilo e inspirador, ideal para a troca de conhecimento e ideias. 

A programação será concentrada nos Auditórios Gralha Azul e Maurício Bissoli, ambos localizados no Setor de Ciências da Saúde da UFPR. 

Além disso, o campus está próximo a importantes pontos turísticos de Curitiba, oferecendo aos participantes do evento a oportunidade de explorar a cultura e as belezas da cidade.

Comissão Organizadora

Fabricius
Domingos

Professor Adjunto
Departamento de Zoologia
UFPR

Fernanda
Caron

Doutoranda
Programa de Pós-Graduação em Ecologia e Conservação
UFPR

Mariana
Vasconcellos

Pesquisadora
Pós-doc Departamento de Zoologia
USP

Matheus
Salles

Doutorando
Programa de Pós-graduação em Zoologia
UFPR

Marcia
Beltrame

Professora Adjunta
Departamento de Genética
UFRGS

George
Pacheco

Pesquisador Pós-doc
Centre for Ecological and Evolutionary Synthesis
University of Oslo

Comissão de Apoio

Adrian
Garda​

Professor Associado
Departamento de Botânica e Zoologia
UFRN

Ana Paula
Assis​

Professora Assistente
Departamento de Genética e Biologia Evolutiva
USP

Claudia
Russo

Professora Titular
Departamento de Genética
UFRJ

Daniel
Bruschi

Professor
UFPR

Felipe
Torquato

Biólogo Evolutivo

Júnior
Nadaline

Doutorando
Programa de Pós-graduação em Zoologia
UFPR

Sávio
Farias​

Professor Associado
Departamento de Biologia Molecular
UFPB

Waldir
Miron

Assistant Professor
Department of Biology
University of West Florida

Financiamento

O nosso congresso será um SMBE Interdisciplinary and Regional Meeting, contando assim com o apoio oficial da Society for Molecular Biology and Evolution (SMBE). 

Esta renomada sociedade internacional promove projetos interdisciplinares e expande suas atividades globalmente ao patrocinar eventos feitos em conjunto com outras sociedades, como será do caso do SBBE 2024, incluindo simpósios ou palestras plenárias sobre biologia molecular e evolução. Para saber mais detalhes sobre este e outros projetos, visite a página da SMBE.

O nosso evento também contará com amplo apoio da Universidade Federal do Paraná (UFPR), a qual cederá seus espaços e estrutura física para a realização do evento.

Não perca a oportunidade!